Esses dias assisti a um filme “daqueles”!

Daqueles que botam a gente pra pensar em como tem levado a vida, ou melhor,  em que tipo de vida a gente está criando.

Daqueles que inspiram a gente a fazer escolhas melhores e a resgatar valores e afetos que ficam escondidinhos no nosso coração doidos pra pular aqui pra fora.

Daqueles filmes que fazem a gente acreditar que o mundo ainda tem jeito, e o remédio pode estar em atitudes muito mais simples do que a gente imagina.

Esse é o documentário “Tarja Branca”  que fala da importância da brincadeira, e o quão sério é esse tema. De como é fundamental pra formação do indivíduo na infância e também para manutenção do bem estar e da saúde da gente depois que cresce. Ouvindo aquelas falas cheias de sabedoria e bom humor é quase impossível não sair com o coração batucando diferente.

Aqui em baixo vai o trailer pra deixar o gostinho de quero mais:

Eu assisti no Netflix, mas deve ter em outros lugares também.

E pra deixar vc se coçando de vontade de assistir vou reproduzir aqui algumas lindezas que pincei do filme:

“Essencial do brincar é a liberdade. Liberdade de tempo, liberdade de espaço e liberdade de criação. ” David Reeks – Documentarista

“A gente nasceu pra ser gente, pra se expressar em plenitude e liberdade em inteireza com todos os talentos que o ser humano tem. Mas, ai aiai, ui uiui, de que vai viver meu filho? Não sei! Mas vai viver melhor, tenho certeza! ”LydiaHortelio – Professora de música e pesquisadora

“O brincar do adulto é o processo criador. ” David Reeks

“A liberdade é perigosa, o sonho é perigoso. A reinvenção daquilo que a gente vive é sempre a desestabilização do status quo.” Maria Amélia Pereira – Pedagoga

Precioso, né?

Então não resista, corre pra assitir que é sim revolucionário!